Parkour sem Ser e nem Durar !

"Ser e Durar"é uma das principais filosofias dos Traceurs atualmente e foi trazida para por David Belle e seus companheiros no inicio da criação do que seria o Parkour. Esta filosofia foi mantida para guiar a evolução dos futuros praticantes, mas inicialmente no Brasil ninguém conhecia essa Filosofia o que gerou muitas lesões aos primeiros Traceurs Brasileiros. Esta filosofia foi transferida diretamente da metodologia de Georges Herbert que cita a seguinte frase como referencia física e psicológica na pratica de qualquer atividade:  Ser e Durar (Ser forte e durar sendo forte).

Começarei esta postagem esclarecendo para você que este post tem como intuito fazer você levar muito mais a serio a filosofia do Parkour de Ser e Durar, então se você tem algum problema em seguir esta filosofia ou não concorda com ela eu lhe dou a possibilidade de fechar esta postagem e sair para tomar um ar.  Caso contrario continue lendo e por favor aprenda com meus Erros!  Entenda que os fatos relatados aqui estão em ordem cronológica e você pode acompanhar isso em vídeos antigos ou postagens no meu antigo Blog (www.leparkourbrasil.blogger.com.br).

Comecei errado, mas comecei

O Parkour estourou no Brasil em 2004 com uma matéria superficial do Cazé na MTV. Vendo aquela matéria eu fiquei com vontade de treinar de verdade o Parkour, já que já tinha ouvido falar deste esporte radical a um tempo atrás por meio de amigos que comentavam sobre ele e o quanto o mesmo era cheio de saltos fodastico e movimentos bacanas! Então da-lhe Google no "Le Parkour".

Pesquisando eu cai no que ainda era a cena underground do Parkour na Web, fui parar no antigo site da Urban Free Flow e ali consegui informação e apoio inicial para ter uma ou outra referencia de movimentos para começar meu treinamento sozinho de  Parkour. Meu inglês na época era vergonhoso, meu francês era pior ainda! rs.  Mas o google tradutor que ainda caminhava naquela época me ajudou muito, só que ainda não sabia que ele traduzia varias coisas erradas o que me fez ter pérolas clássicas em meu antigo blogger como:  "David e Belle" e "o parkour é um esporte urbano como a amarelinha", bizarro não?  Calma! Ainda tem mais!

br />


Sem referências !


Com a internet lenta daquela época eu tive que me contentar em ver alguns vídeos bem selecionados e muitas, muitas, muitas fotos de Parkour para começar a pegar a base dos movimentos de Parkour. Comecei a treinar em 2004, mas treinos leves fisicamente  e muito radicais, porque em 2004 o Parkour era diferente, você tinha que saltar e quanto mais alto melhor. Então eu fraco e gordinho comecei a saltar, diferente de outros praticantes que na época também começavam a se aventurar em aprender o Parkour com os amigos eu comecei sozinho, ia para o Parque sozinho e tentava imitar e desvendar vários movimentos do Parkour que eu via em vídeos e fotos, e lhe garanto era difícil aprender e entender como estes caras faziam os movimentos de forma tão fácil, este Yamakazi tinham algum segredo que eu ainda não conhecia na época, mas entenderia anos depois. Os anos foram passando.

Treinando de 2005 para 2006 eu comecei a me aventurar mais nos saltos acompanhando a onda de outros brasileiros.  E saltávamos muito, 01, 02 ou 03 metros era fácil, mas saltar de 04 metros de altura na grama já era difícil.  Então muito louco e descuidado e achando que não existiria o amanha eu comecei a treinar para saltar no concreto desta altura de 04 metros, me dediquei pesadamente em lapidar meu rolamento ao máximo para agüentar as pancadas. E fui com a cara e a coragem fazer os saltos, o impacto era forte, o rolamento dava a impressão de não segurar tudo e então após varias tentativas decidi deixar aquele salto de lado e me preocupei eu aprender o Monkey… sim acredite se quiser eu não sabia fazer um Monkey decente na época. Meu Parkour era complicado, parecia que todos evoluíam a  100 km/h enquanto eu estava apenas caminhando. Mas desisti dos saltos altos e não do Parkour.



O tempo passa e aos poucos a gente aprende


Continuei treinando e ensinando o Parkour durante anos de forma leve, sem me esforçar realmente em evoluir e assim o tempo foi passando… 2005…2006… e em 2007 eu cansei de verdade. Cansei de ser pesado nas técnicas, cansei de não ter força suficiente para subir uma parede com qualidade e cansei principalmente de torcer meu tornozelo em movimentos que deveriam ser fáceis para alguém com tantos anos de treino.  Após esta revolta de anos eu decidi começar a emagrecer de forma saudável e decidi aceitar a ajuda de amigos para evoluir no Parkour, vendo a união e a força de vontade da galera do Exterior, decidi criar o grupo Parkour Brazil Team e esta ideia vingou de verdade em 2008, com este novo conceito pessoal nasceu a pagina Parkour Brazil que substitui o antigo, velho e surrado blog LeParkourBrasil.

Com amigos próximos auxiliando eu consegui força de verdade para desenvolver meu Parkour, mas morar no interior de São Paulo não ajudou, então me mudei para São Paulo em 2008 e aqui iniciei meu Curso de Parkour. Eu ja havia dado muitos treinos de Parkour, mas ainda não tinha me responsabilizado de verdade em aulas então vim para São Paulo empenhado em fazer o melhor Curso de Parkour do Brasil.  Mas nada disso deu certo até 2010 onde eu tive a chance de conhecer Chris Rowat (Blane) em um evento da PkMax em Belo Horizonte. Neste evento consegui tirar um tempo para conversar com o Blane em particular e com meu inglês mega básico consegui perguntar para o Blane o porque eu sentia tanta dor ao treinar Parkour, ele então me respondeu:

"A dor é normal no Parkour, se você está treinando e não sente dores depois

então você provavelmente está treinando pouco"

Está simples frase mudou a minha vida, após isso voltei com muitos movimentos ensinados pela Parkour Generations em seu curso ADAPT e inclui estes movimentos de preparação no meu Curso de Parkour e a partir dai a evolução foi exponencial em minha vida, comecei a treinar pesado com meus alunos em São Paulo.  Emagreci, fiquei cada vez mais forte, evolui psicologicamente, minhas tecnicas melhoraram, voltei a escrever e a estudar, meus alunos no Curso de Parkour triplicaram e para fechar com chave de ouro me Casei.


Lesão séria e aprenda com meus Erros

Tudo estava indo bem, estava tudo mais tranqüilo que o normal. Então em um treino de sábado estava com meus alunos no Praça da Sé treinando e após mandar um Monkey precisão senti uma dor nas costas, ela começou com um desconforto e foi ficando forte, muito forte. No começo achei que não era nada sério e que eu iria me recuperar logo, mas não foi assim!

Após alguns minutos eu não conseguia mais ficar de pé, não conseguia mexer os braços direito e minhas pernas formigavam.  Eu ficava sem ar em qualquer posição e então decidi ir para o Hospital, como minha esposa já estava a caminho para me buscar decidi esperar ela para ir para o Hospital.  Foi horrível, meu corpo havia esfriado e eu não conseguia ficar de pé, meu alunos então me levantaram e me colocaram dentro do carro, como eu não tinha convênio acabei indo para um hospital particular próximo para ter um atendimento decente, neste hospital eles nem sabiam se tinha maca para me levar para dentro, então decidimos vir para perto de casa e ficamos no Hospital São Cristovão na Mooca.

Cheguei meio preocupado já que eu estava com as pernas formigando e qualquer movimento nas costas me davam uma dor forte demais que até me tirava o ar. Então me colocaram na maca, quase morri!  Desceram uma rampa! Quase morri de novo! Mexeram minhas pernas, quase morri de verdade!   No final sobrevivi.  Tirei chapa das costas e não tinha quebrado nada, mas o medico ficou preocupado e me pediu uma Ressonância Magnética, tomei uma injeção de Profenid na coxa, e com muito cuidado voltei pra casa.  Minha esposa cuidou muito de mim neste dia, eu não conseguia andar, então eu me apoiava nela para ir até mesmo ao banheiro.  Tomei banho sentado e com muita dor, não conseguia dormir e a cada minuto eu fui ficando mais preocupado.   As dores foram diminuindo graças ao medicamento forte que me foi passado, mas quando a medicação chegou ao fim eu senti que a coisa era séria e graças a Deus e a ajuda da família de uma grande amigo/irmão consegui realizar a Ressonância Magnética.

Após analise dos médicos e do fisioterapeuta foi constatado que eu estou com uma Hérnia de Disco na coluna. Me disseram que já tenho esta hérnia há anos e que não a senti graças a minha estrutura muscular que segurou fortemente minha coluna durante anos,  o que impedia que eu sentisse alguma dor relevante que me obrigasse a verificar a fonte da mesma. Fiquei triste ao receber a noticia e acabei tendo alguns dias que fiquei realmente desanimado por não poder voltar ao parkour.

Mas como dizemos em minha equipe sou um Lepartano!  E por este motivo comecei a me esforçar mais, estou em tratamento neste exato momento com Fisioterapia e algumas sessões de Acupuntura!  E estou vendo os resultados surgirem aos poucos.  Sinto menos dores nas costas, não posso correr nem saltar e todos meus movimentos são friamente calculados!  Mas consigo perceber que estou melhorando! No momento consigo sentar e escrever, antes nem isso eu conseguia então já é uma conquista, já ando sem bengala e já estou voltando a emagrecer.

E acredito que você está ate agora se perguntando o porque de eu estar postando esta experiência tão pessoal aqui no site? Não é?  É simples, não quero que você Traceur ou Traceuse ou visitante passe pelo o que eu passei.

Treine com calma, aprenda com quem sabe, se não tem ninguém para aprender respeite seus limites.

E por favor, como eu disse no começo aprenda com meus Erros!  Bons treinos e boa semana para você.


Entre em Contato

Fale Conosco

Avenida 9 de Julho, 50 A
Bela Vista - São Paulo / SP
Horário de atendimento:

Segunda a Domingo - 10:00 as 18:00 horas.

Fale conosco por Email

contato@parkourbrazil.com

Telefone | SMS | WhatsApp

(+55 11) 98140-0942